Notícias

  • Carnaval: a festa do povo é acessível para todos?

    Compartilhe

    A maior festa popular do País mobiliza, todos os anos, milhões de pessoas para um show de diversidade de culturas e estilos, seja na hora de curtir os blocos de rua ou os desfiles das escolas de samba. Mas o evento conhecido tradicionalmente como a festa do povo é feito para todos?

    Nas principais cidades onde a festa acontece, muito além de pensar em qual fantasia usar, é preciso pensar também na acessibilidade para todos, afinal, pessoas com deficiência, de acordo com o último Censo do IBGE, são 24% da população e devem ser incluídas na maior festa popular do País. 

    Entretanto, diante de um cenário incerto em relação a realização ou não do Carnaval de Rua e da forma como as Escolas de Samba se apresentarão em 2022, reunimos neste blog todas as informações que você precisa saber sobre o cenário da acessibilidade para pessoas com deficiência no Carnaval, além de um retrospecto sobre a história dessa festa popular e sugestões de acessibilidade para sua realização. Continue a leitura e confira:

    Na foto temos um rapaz tocando trompete em um bloco de rua no carnaval

     

    O Carnaval no Brasil 

    A data, que hoje é fixada exatamente 47 dias antes do domingo de Páscoa, diferente do que muitos acreditam, não é uma criação brasileira. Trazido pelos colonizadores portugueses entre os séculos XVI e XVII, a festa foi ganhando a forma que conhecemos hoje com o passar dos anos. 

    O que na época era representado pelo ‘entrudo’, brincadeira muito popular em Portugal, onde as pessoas podiam sujar outras na rua, passou a ser reprimido pela elite, que não via com bons olhos a zombaria feita pelo povo nas ruas. Porém, ao mesmo tempo que a festa popular era reprimida, a elite do Império criava os bailes de carnaval em clubes e teatros como uma forma de manter a data comemorativa, mas sem a presença popular e sem a sujeira que a tradição anterior fazia. 

    Aos poucos, outras tradições como as que conhecemos hoje, incluindo os cordões, as marchinhas, e até mesmo o samba. Tudo foi sendo combinado, para termos a festa que conhecemos hoje com a presença de Escolas de Samba, trio elétricos e blocos de rua, entre outros. 

     

    A maior festa popular do Brasil é para todos? 

    Existente da forma que conhecemos há menos de 100 anos, o Carnaval, quando se trata de acessibilidade para pessoas com deficiência, ainda caminha a passos curtos. Porém, mesmo que ainda exista muito a ser feito, também devemos destacar algumas atitudes que já foram tomadas para incluir a todos na maior festa popular do Brasil.

     

    Loucura Suburbana

    Criado em 2001, o Bloco que desfila pelas ruas do Engenho de Dentro é, além da manifestação da alegria de pacientes, familiares e funcionários do Instituto Municipal Nise da Silveira, também uma manifestação em busca da desconstrução do modelo de assistência prestado aos pacientes com transtornos mentais, fazendo com que o desfile seja uma grande festa, sem qualquer preconceito.

    Tá Pirando, Pirado, Pirou!

    Inspirado na fala de um paciente do Instituto Municipal Philippe Pinel, o bloco fundado em dezembro de 2004, não busca fazer Carnaval apenas para quem depende da rede pública de saúde mental, mas sim incluir toda a população nessa grande festa. Além de fazerem parte da revitalização do Carnaval de rua do Rio, ao sair pelas ruas da Urca, o Coletivo Carnavalesco também reforça a luta antimanicomial e a reforma psiquiátrica nacional.

    Embaixadores da Alegria 

    O Carnaval do Rio de Janeiro ganhou em 2007 uma opção de bloco acessível para que pessoas com deficiência pudessem participar da festa. Contemplando pessoas com deficiência física, motora e cognitiva, o grupo conta com o apoio de diversos especialistas como fisioterapeutas, pedagogos, terapeutas e psicomotricistas para garantir que a folia seja possível para o maior número possível de pessoas. Há mais de 15 anos, a agremiação é a responsável pela abertura do Desfile das Campeãs do Grupo Especial do Rio de Janeiro. 

    Senta Que Eu Te Empurro

    A proposta do bloco de Carnaval criado no Rio de Janeiro, em 2008, é socializar, integrar e dar visibilidade a pessoas com deficiência, garantindo que seu desfile seja leve e descontraído para todos os presentes. O bloco sai pelas ruas do bairro do Catete, quebrando barreiras e preconceitos, e levando alegria ao colaborar para a autoestima de pessoas com deficiência, que por muitos anos foram privadas de aproveitar essa festa popular. 

    Todo Mundo Cabe no Mundo

    Desfilando pelas ruas de Belo Horizonte desde 2016, o bloco mineiro promove a inclusão de pessoas com deficiência, tanto para quem queira brincar o Carnaval nas ruas quanto para quem queira tocar na bateria do bloco. Saindo pelas ruas do bairro de Santa Efigênia, “Todo Mundo Cabe no Mundo” é uma mistura da festa mais popular do País, com um alerta sobre a necessidade de inclusão de todos. 

    Me Segura Senão Eu Caio

    Há mais de 10 anos, o bloco pernambucano promove, nas ruas do bairro da Torre, em Recife, uma festa acessível para pessoas com deficiências intelectual e física.  Com média de 4 mil pessoas acompanhando o bloco todos os anos, o coletivo carnavalesco reúne pessoas de todas as partes do Estado, que buscam espaços adaptados para que elas possam aproveitar o Carnaval de forma plena. 

    Carnapupa

    Uma alternativa inclusiva para os paulistanos é o Carnapupa, que surgiu pensando em levar acessibilidade e folia a pessoas com deficiência. O bloco leva acessibilidade para cadeirantes e música em volume mais baixo para que crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) não se sintam incomodadas com o som. 

    Mas, além dos blocos de rua, quem não abre mão de aproveitar o Carnaval acompanhando os desfiles das escolas de samba também pôde observar algumas mudanças no que diz respeito à representatividade e à acessibilidade para pessoas com deficiência. 

    Nos sambódromos ao redor do País, podemos observar algumas iniciativas que começaram a surgir para garantir mais inclusão às pessoas com deficiência. Um exemplo é a presença de deficientes físicos e visuais como jurados e funcionários dos desfiles, no Rio de Janeiro e em São Paulo, desde 2012.

    A capital fluminense também oferece acessibilidade para quem assistir aos desfiles na Sapucaí, já que, no Setor 13, área destinada a pessoas com deficiências e seus acompanhantes, são disponibilizados fones de ouvido, onde um narrador profissional, passa todos os detalhes dos desfiles aos participantes, além da presença de tradutores de libras, fazendo a transcrição em tempo real de todas as letras de músicas tocadas.

    Já na capital paulista, por meio do projeto “Samba com as Mãos”, foi possível levar acessibilidade a surdos, ao disponibilizar vídeos com tradução em Libras dos sambas-enredos das agremiações que pertencem ao Grupo Especial de São Paulo. 

    Na avenida, a acessibilidade já foi tema em Manaus, no desfile do Grêmio Recreativo Unidos do Alvorada. A escola trouxe o samba-enredo “Oi, eu estou aqui! Alvorada com um cromossomo a mais mostra que ser diferente é normal”, homenageando pessoas com Síndrome de Down e levantou a discussão a respeito da importância da inclusão de pessoas com deficiência.

    Em Santos, a Escola de Samba Vila Mathias já levou aos seus desfiles uma das alas inteiramente formada por pessoas com deficiência física, auditiva, visual e intelectual, garantindo muita inclusão e representatividade no carnaval santista.

     

    Cenário possível do Carnaval em 2022

    Com a chegada da pandemia causada pela Covid-19, o Carnaval como conhecíamos não pôde ir às ruas e passarelas desde 2020. Até o momento, ainda não foi confirmado se em 2022 a festa do povo poderá acontecer, porém governadores de diferentes partes do Brasil já se posicionaram em relação à realização ou não da festividade.

    Enquanto no Rio de Janeiro a Liga das Escolas de Samba (LIESA) apresenta três cenários possíveis, sendo eles o Carnaval digital, os desfiles sendo realizados no inverno ou a folia sendo estendida, os governos de Curitiba e do Amazonas já confirmaram a realização do carnaval digital em 2022. 

    Com essa medida, é possível garantir que o trabalho realizado por todos os profissionais envolvidos na realização dos desfiles não fique parado por mais um ano, além de abrir um leque de possibilidades em relação à acessibilidade para pessoas com deficiência no meio digital. 

    Caso esse cenário se confirme, é possível garantir transmissões ao vivo com tradução para LIBRAS, além de narradores descrevendo as imagens para que pessoas com deficiência visual possam acompanhar tudo que acontece nos desfiles. 

    Para autistas, a vantagem se dá pela possibilidade de aproveitar a data sem precisar estar em meio a uma multidão barulhenta. Já para pessoas com a mobilidade reduzida, transtornos em relação à falta de estrutura física também poderão ser evitados, sem perder o acesso a tudo que acontece no Carnaval. 

    Esse modelo já pôde ser experimentado no Carnaval de 2021, onde foram divulgados diversos blocos virtuais, unindo as pessoas para uma festa à distância, sem perder a alegria que a data traz e possibilitando uma folia com condições mais igualitárias entre todas as pessoas.

     

    A importância da acessibilidade também vale na folia digital

    Mas, para que essa festa digital aconteça e seja de fato inclusiva para todos, é necessário que se ofereça acessibilidade digital. Isso significa que, não adianta levar o Carnaval para o meio digital, pensando que ao favorecer pessoas com cadeiras de rodas tudo já está resolvido. 

    A inclusão é um direito de todos e, para que isso aconteça no Carnaval Virtual, a inclusão digital por meio do uso de uma tecnologia assistiva se faz necessária. A EqualWeb oferece até 31 soluções de acessibilidade digital para que todos possam ter uma navegação acessível.

    Só no Brasil, mais de 5 milhões de pessoas já foram impactadas com as mais de 600 mil páginas de sites que a EqualWeb tornou acessíveis. Então faça como Coca-Cola, FGV, Rock in Rio e Motorola e garanta que seu negócio faça a diferença na vida de milhões de pessoas. 

    Converse com nosso time de especialistas para conhecer tudo sobre nossas soluções.

     

    , , , ,

A EqualWeb é uma das soluções líderes globais em acessibilidade digital. Há 6 anos, vem tornando sites e conteúdos digitais acessíveis para pessoas que possuem alguma necessidade especial.

Selo Empresa Promotora de Impacto Amiga da Inclusão DigitalSelo Certificado de Acessibilidade Digital LBI Compliant

São Paulo

Av. Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues 939, 8º andar - Torre I
Ed. Jacarandá
Tamboré, Barueri/SP

E-mail: [email protected]

Rio de Janeiro

Rua Visconde de Pirajá 351, Andar P
Ipanema, Rio de Janeiro/RJ

Telefone: +55 21 99216-5814

×